Declarações de Bruna Marquezine sobre padrões de beleza recebem apoio de profissionais de nutrição na Europa

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Coach nutricional holandesa Gabi Lodewijks apóia declarações de Marquezine e rechaça busca pelo corpo perfeito a qualquer custo

Bruna Marquezine tem levantado nas redes sociais e em eventos bandeiras como desconstrução do ideal de corpo perfeito, ser mulher, autoestima, sororidade, empoderamento e feminismo. No evento #TamoJuntas, realizado nesta segunda-feira (9) em São Paulo, ela falou sobre tudo isto e chamou a atenção da mídia nacional e internacional.

Padrões de beleza

Existe sobre as mulheres uma grande cobrança para que se encaixem em determinados padrões estéticos, imposto pela grande mídia. Marquezine falou abertamente sobre o tema e pontuou que se tratam de expectativas irreais: “Milhares de meninas querem se encaixar em um padrão de beleza que não existe. A beleza que você vê e consome sai com água e demaquilante. É cruel e cansativo tentar se encaixar em um padrão”.

Fotos: Vivian Costa / MF Press Global 

A coach nutricional Gabi Lodewijks, criadora do projeto ‘Vida Saudável’ na Holanda, é uma das precursoras de uma filosofia sustentável no fitness, longe de expectativas irreais e de corpos magérrimos, e uma das profissionais que apoiam a fala de Marquezine: “Uma pesquisa de 2014 apontou que, entre as 6.400 mulheres entrevistadas, apenas 4% se definiram como belas. Além disso, 59% delas afirmaram sentir pressão para ser bonita. Isto mostra o quão cruéis são estes padrões de beleza. Os casos de depressão só aumentam ao redor do mundo, assim como o suicídio, além de mulheres que morrem em procedimentos cirúrgicos em busca do tão sonhado corpo perfeito, que é algo que a Bruna, embora seja um símbolo de beleza, assumiu não existir”.

Amor e sororidade
Gabi Lodewijks também concorda com Marquezine quando o assunto é sororidade, que é a versão feminina para o que se entende por fraternidade: “A atriz foi muito feliz em sua colocação sobre sororidade. É realmente difícil amar pessoas completamente diferentes de você, mas é necessário. Quantas mulheres hoje se sentem o ‘patinho feio’, a indesejada, a desajustada, e não encontram ninguém que as apoie, que as valorize, que as incentive, e isto tem causado distorções de autoestima, autoimagem e doenças que afetam não apenas o corpo mas a alma. Como disse Marquezine, ‘Sororidade é segurar a mão de alguém, mas tem gente que nem quer dar a mão’. Precisamos nos apoiar, pois o amor tem tudo a ver com ter empatia com a dor de alguém”.

Fonte: MF Press Global